Lirismo para combater a automatização

Lirismo para combater a automatização
#antimáquina

Vídeos (seleção)

Loading...

26 de janeiro de 2012

SONETO AO PINHEIRINHO


Quem sabe o que é "doer até a alma"?
Até bem pouco tempo, eu não sabia.
A vida no seu curso prosseguia
e havia luta, mas havia calma.

Havia poesia e união.
Havia, sim, uma comunidade
prezando por respeito e liberdade.
Havia rap e havia canção

Mas de repente houve o gás de pimenta
e a repressão covarde, violenta
(é contra isso que meu verso teima):

Agora a alma dói sem ter alento
e é dor que não descansa um só momento:
incêndio. E é o coração que queima.

P.R.Barja

2 comentários:

  1. Que bom saber, Paulo Barja, que há alguém sensível em São José dos Campos - porque eu imagino que você more aí, não é? Não sei se os joseenses imaginam isso, - ou se lhes importa - mas a cidade e seus habitantes ficaram com uma imagem péssima para mim. Quase todas as pessoas que já contatei nos esforços de ajuda a Pinheirinho NÃO SÃO de SJC, e parece que aí a imensa maioria reza pela cartilha do prefeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Bete, muito obrigado pelo comentário. Tem sido muito sofrido viver por aqui com toda essa nuvem de preconceito e intolerância...
      Sim, moro em SJC há mais de 10 anos e me considero joseense, embora alguns ainda me tratem como forasteiro... Desde o início do ano tenho trabalhado arte+cidadania na questão Pinheirinho, e no dia 21/jan fiz o encerramento do ato público lá no barracão do Pinheirinho, cantando o rap pacifista que havia feito em homenagem ao pessoal de lá. Por essa e muitas outras razões doeu tanto o que fizeram - e estão fazendo ainda - com o povo do Pinheirinho.
      Tenho divulgado onde posso essa questão, inclusive através de poemas e canções (alguns aqui no blog). Fiz também o Cordel do Pinheirinho e estou trabalhando num novo texto de arte-denúncia sobre tudo isso.
      Também tenho escrito todo dia nos comentários online do jornal local, pra tentar rebater um pouco da raiva que circula entre pessoas da cidade que pouco se importam com o próximo. Mas temos muita gente boa aqui também.
      Escreva, vamos manter contato, é super importante que a rede se amplie. Grande abraço,
      Paulo

      Excluir