Cordéis no Pinheirinho dos Palmares

Vídeos (seleção)

Loading...

20 de dezembro de 2012

Soneto da delicadeza


 
Como levar-te, Amor, delicadeza?
Como fazer pra ver o teu sorriso?
Como saber do que mesmo eu preciso?
Como aparar - sem dor - qualquer rudeza?

Embalo em cores o teu dia-a-dia
... mas queres preto e branco? Tudo bem.
Não queres carro? Vou te ver de trem.
Não queres prosa? Levo-te poesia. 

Deixo dourar, no forno dos afetos,
fatias finas de verso integral
(a massa é clássica e os grãos, concretos); 

Delicadeza assim, medieval,
é como as asas de belos insetos:
por vezes tocam e não fazem mal.

(P.R.Barja)

Nenhum comentário:

Postar um comentário